17500693_kWWYw.jpg
Ao meu marido, que me apoiou, sendo o meu braço direito em todo o processo da minha doença, para ele um obrigado com muito carinho e amor

.posts recentes

. ...

. Homenagem a mais uma amig...

. Lembrando momentos que pa...

. Historia do Laço Cor-de-r...

. ...

. ...

. Mais uma informação

. ...

. Foi só Susto

. Mais um ano passado e eu ...

.arquivos

. Julho 2015

. Junho 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Outubro 2014

. Outubro 2013

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2009

Descoberta proteína que protege células da quimioterapia

Um estudo publicado na 'Nature' abre a possibilidade de se  silenciar dois genes associados a formas agressivas de cancro do sistema nervoso, travando a sua evolução. Outra investigação aponta que há  proteínas que corrigem os erros do ADN, o que abre a porta a tratamentos mais eficazes e com menos efeitos secundários para todos os doentes.
 

Investigadores do Reino Unido encontraram uma forma de impedir a expansão do cancro ao mesmo tempo que se protege as células saudáveis dos efeitos da quimioterapia e se intensifica os seus benefícios. Os resultados foram publicado na Nature na última edição, a mesma em que foram publicados os resultados de um estudo que identifica os dois genes mais associados ao glioblastoma, o quarto cancro mais fatal.

Segundo os dados do primeiro estudo, há uma família de proteínas (small ubiquitin like modifier) que consegue reparar os estragos provocados no DNA e que estão associados ao aparecimento ou alastramento das células cancerígenas. Estas proteínas ligam-se às proteínas normais e conduzem-nas às zonas danificadas do ADN, corrigindo os erros genéticos.

Estas proteínas foram capazes de corrigir os erros mais graves, que afectam as moléculas em forma de dupla hélice. Depois de os corrigirem, as proteínas separam-se e seguem o seu caminho. Jo Morris, do King College London, que integrou uma de duas esquipas no estudo, diz, citado pela BBC News, que "este é o primeiro passo para desenvolver remédios que podem proteger as células dos efeitos secundários da quimioterapia ou aumentar a eficácia de tratamentos actuais, como os da mama".

Esta descoberta abre ainda a possibilidade de encontrar formas de combater o cancro, uma vez que o ADN pode ser reparado. Jorge Espírito Santo, presidente do colégio da especialidade de oncologia da Ordem dos Médicos, refere que o estudo abre perspectivas interessantes, uma vez que "a quimioterapia não dirigida provoca danos irreparáveis no ADN. Se proteger as células normais, teremos hipótese de tratar melhor, nomeadamente utilizando quimioterapia mais potente".

Por outro lado, se "se provar que os danos do ADN são corrigidos, deixaria de haver cancro", avança, salientando que estamos numa fase de "ficção. É um excelente caminho teórico".

Esta equipa de cientistas estudou o processo no gene BRCA1, um dos associados ao cancro da mama agressivo quando sofre mutações. E concluiu que reparando o gene é possível impedir a formação do cancro da mama.

Outra investigação, agora da Universidade de Columbia, identifica dois genes que estão associados a 60% dos glioblastomas, um dos cancros mais frequentes do sistema nervoso central. Os doentes que tinham os genes C/EPB e Stat3 activos morriam mais cedo. Quando estes genes foram silenciados nos genes do glioblastoma (em ratinhos), o cancro deixava de evoluir.

Vítor Gonçalves, neurocirurgião do Hospital de São José, diz que a descoberta "é importante nestes tumores, que afectam seis em cem mil pessoas (600 casos por ano). Apesar de representar perto de 2% dos cancros em doentes adultos é o quarto mais fatal actualmente, "com uma sobrevivência média de um ano, ano e meio"

 

Noticia publicada no DN

publicado por Maria de Lourdes às 21:02
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De IsaLenca a 30 de Dezembro de 2009 às 10:13
Venho aqui desejar um Bom e Feliz 2010!

Bjs
De Maria de Lourdes a 4 de Janeiro de 2010 às 21:56
Olá Isa
que tenhas um Ano Novo cheio de coisas boas
beijinhos

Comentar post

.mais sobre mim

.Meu Signo


RecadosOnline.com

.Julho 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.favorito

. Oração a Nossa Senhora da...

. Cancro da Pele

. Voluntariado

. Histórias Que o 25 de Abr...

. Terceiro cântico do Servo...

. Consulta

. Morte do Domingos

. Recordar Ainda é Dificil

. Liberdade de Imprensa

. Ano Novo

.links

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds